DAS MANGAS E DAS UVAS

 

 Era uma vez, em uma aldeia, havia um homem muito rico o qual foi convidado a visitar o seu rei e o palácio real. Sua fazenda produzia muitas frutas. Ao passear pelo pomar, viu, caídas ao chão, algumas mangas, muito bonitas, vermelhas de encher de água a boca. Pensando na visita que ia fazer ao seu rei, e sabendo que este adorava mangas, apanhou três grandes carretas e encheu-as com aquelas mangas, as quais tinham pequenos amassados e machucados, ao caírem ao chão. Mas, pensou, se fossem cortadas aquela partes machucadas, o resto se aproveitaria bastante. E eram suculentas.  Assim foi de encontro ao seu rei.

            Em uma aldeia vizinha, também havia um homem que, de igual forma, fora convidado a visitar o seu rei e o palácio real. Morava em uma casinha e tinha no quintal um parreiral que produzia deliciosas uvas. Sabendo que seu rei adorava uvas, este homem pegou um cesto, forrou-o bem e, com uma tesoura, foi cortando cuidadosamente os melhores cachos para o seu rei. Havia até um vespeiro naquele parreiral, mas este homem sofreu e conseguiu colher muitos cachos de uva. Lavou-os bem e foi ao palácio.

            Lá chegando, ambos se apresentaram ao rei, oferecendo-lhe as frutas. Eram três grandes carretas, cheias de mangas vermelhinhas e outro cesto cheio de uvas rosadinhas.

            Ao ouvir de ambos as suas respectivas histórias o rei, provando das uvas, agradeceu a ambos. As três carretas de mangas foram lançadas no chiqueiro, e os porcos se deliciaram.