CÂMBIO

 

de Edilson Crawell

 - Alô..."

- Oi mano, tô te ligando pra ouvir um conselho e trocar umas ideias.

- Chora, guri.

- Como Ce sabe, tô me separando. Q co C acha ?

- Seguinte, guri, eu acho que vais largar um problema e abraçar uma incógnita.

- Traduzindo: "largar um abacaxi e pegar um pepino, né" ?  Em teseMas não é tão incógnita assim não. 

-  Como assim ?

- Já conheço ela; e conhecia muito bem a outra. Questão de psicologia.

- Desembrucha, vai.

 - Negócio seguinte: cansei de empurrar trator na subida. Chega.

- E os vagõezinhos, como ficam ?

- Esses eu ainda vou carregar durante alguns anos; o problema mesmo era a carreta acoplada. No início parecia ser locomotiva, mas depois vi que era um vagão camuflado.

- Vixi, poizé. Coisas da vida, né. Então vais fazer um up grade de hardware, né ?  Mas... e a nova locomotiva, conta aí, vai, como é.

- Bem, não é tão nova assim, nem zero bala.  Motor 4 ponto zero, tração 4 x 4 pra todo terreno; mas pelo menos tá agregada.

- Se tá agregada, tá bem, pelo menos puxa na mesma direção. Só contribui.

- Com certeza. A outra era uma Gordini – não ia nem no tranco; o problema é que emperrou mesmo. E se soltasse ladeira abaixo, seria capaz de capotar. 

- Nem no despenhadeiro ?

- Pega leve, né. Nem pensar. Isso seria crime. De mais a mais não sou tão mau caráter assim. Vou ter que pagar o pedágio. 20% de PA. É a Lei.

- E a nova aquisição, vem completa ?

- Em partes. Nem tudo é perfeito na vida. Um parente, dois aderentes, mas tem um peneuzim estepe. Mas parece uma Ferrari – é italiana.

 .

- Pensa bem, guri, loira é muito visada por ladrão.

- É o risco. Melhor arriscar num filé que só ficar na certeza do osso.

- E se for picanha ?

- Nesse caso, tenho uma receita – um Engov antes, outro depois. E pé no fundo.

- Tem air bags ?

- E farol de milha, mano. Lâmpadas de xenon – azuizinhos. Máquina italiana é outro papo. É fera mesmo.

- Olha que pode ser uma onça...

- E daí ? Ainda que seja uma jaguatirica estarei no lucro. Essa só bebe. Aditivada.

- Hhhhmmm.  E a ex ?

- Fumava. E emperrou. Era uma Gordini. O marcador ia de zero a cem em menos de sete segundos.

- Como assim? Era ligeira ?

- Não. Na balança. Cem quilos. Gordini mesmo. Mas o real problema ainda não era esse; o problema é que ao invés de tornar-se locomotiva,  tornou-se um vagão; dia após dia – ano após ano. E empacou.

 - Já pegou o certificado de propriedade  ?

- Ainda não. Vamos esgotar primeiro a garantia, né. Depois a gente vai e registra em cartório.

 - Poizé, é como eu sempre digo: – quem nasceu pra vagão nunca chega a alazão. Uma dica: escuta aquela música “O Medo da Chuva”, do Maluco Beleza. Ela diz tudo.

- Falô, depois te ligo e trocamos outras idéias. Até.

- Até. Câmbio.