Nosso compromisso é fazer com que crianças e adolescentes se interessem pela literatura e cresçam em caráter, aliado ao conhecimento.

edimilsopimentel2017@gmail.com

 

HISTÓRIA DAS IGREJAS CRISTÃS

 
A HISTÓRIA DAS IGREJAS ERRADAS APÓS A EXCLUSÃO

Os Católicos - Os Protestantes

 Como dissemos a história das igrejas erradas diferem muito da história das igrejas fiéis. Assim como os fiéis que foram apelidados de "anabatistas" elas também tiveram um apelido. Foram conhecidos por “católicos”.

O Catolicismo Original

       Em nosso país, Brasil, se conhece apenas o catolicismo romano. No entanto ele não é o único nem o primeiro. O catolicismo primitivo foi uma organização eclesiástica a qual pertenciam várias igrejas. Estas igrejas estavam espalhadas por todo o Império Romano. Após a morte dos apóstolos de Jesus Cristo muitas igrejas sofreram a influência maligna do paganismo. E o apóstolo João foi testemunha disso quando escreveu as sete cartas às igrejas primitivas, sendo apenas a Igreja Filadélfia a que se coadunava com o ensinamento de Jesus Cristo, conforme este atestou no Apocalipse. A decadência deu-se em razão de que seus membros, instigados pelos falsos pastores, foram vítimas de ensinamentos errados a respeito da autoridade de Cristo sobre sua Igreja e também a respeito de como se chegar ao céu. Tais pastores desviaram grandes igrejas sendo que muitas delas um dia foram grandes baluartes da fé. A própria igreja de Roma é um exemplo. O apóstolo Paulo chegou a escrever uma carta a esta igreja - Carta aos Romanos. Porém, devido ao mau uso do púlpito, os falsos pastores desviaram completamente o rebanho, e, devido ao fato de terem aceitado heresias estas igrejas foram excluídas pelas igrejas fiéis em 225.

Igreja Católica significa "Igreja Universal". E apesar deste apelido ter sido usado pela primeira vez no ano 170 pelo bispo de Cartago, referindo-se a todas as igrejas cristãs, ela não tinha a idealização que tem hoje. Este nome começou a ganhar força a partir de 313 quando as igrejas erradas aceitaram ser servas do imperador romano Constantino. Aí sim ficou decidido que a igreja tinha que ser Universal. Tornou-se tão Universal que quem não pertencesse a ela seria punido com a morte. Este pensamento fez com que estas igrejas enchessem suas fileiras de pessoas não convertidas. Em algumas épocas a conversão chegou a ser nacional e não pessoal, como foi o caso da Alemanha até a formação dos estados nacionais, em 1870. Se o rei ou imperador do país tornasse católico ele obrigava todo seu povo a ser católico também. O evangelho a partir de 313 deixou de ser pregado e proposto para ser imposto sobre todos os moradores do Império Romano, que ruiu dois séculos depois.

O catolicismo original contava com cinco patriarcados (ou igrejas mais importantes). Eram eles: Patriarcado de Jerusalém, de Roma, de Constantinopla, de Antioquia e de Alexandria. Estas cinco igrejas brigavam entre si para ver qual delas teria a primazia sobre as demais. Questão política, como em qualquer organização. Esse quadro começou a mudar com o advento do islamismo, por volta do ano de 630.  A nova religião praticamente destruiu a importância de três patriarcados: Jerusalém, Antioquia e Alexandria. Isso polarizou o catolicismo em duas grandes correntes. A corrente grega reunia sobre sua autoridade as igrejas do Oriente (Ásia) e foram lideradas pela igreja de Constantinopla. Já a corrente latina reunia sobre a sua autoridade as igrejas do ocidente e foram lideradas pela igreja de Roma. Essas duas igrejas foram rivais até o século IX. Nesse tempo o catolicismo se dividiu.

A Divisão do Catolicismo -  a briga – a excomunhão mútua.

No ano de 869 os bispos de Roma e Constantinopla tiveram um grande atrito entre si. No final da confusão os pastores de Roma e Constantinopla se excomungaram mutuamente. Desde este dia estas duas igrejas se separaram e até hoje existem dois tipos de Catolicismo. O Catolicismo Oriental - representado pelas igrejas de rito grego - também chamado de Igreja Ortodoxa Grega; e o Catolicismo Ocidental - representado pelas igrejas de rito latino - também conhecido como Igreja Católica Apostólica Romana.

Algumas Diferenças dos Dois Catolicismos

A infalibilidade papal e a supremacia universal da jurisdição de Roma constituem a diferença essencial, que a igreja ortodoxa não admite, pois ferem as Santa Escrituras;

A Sagrada Escritura e a santa tradição representam o mesmo valor como fonte de revelação, segundo a igreja ortodoxa. A romana, no entanto, considera a tradição mais importante que a sagrada escritura.

A virgem Maria, igual as demais criaturas, foi concebida em estado de pecado original. Porém, a igreja romana, em 1854, proclamou o dogma de fé a Imaculada conceição da Virgem Maria.

Os sacerdotes ortodoxos podem optar livremente entre o celibato e o matrimonio.

A Igreja Ortodoxa só admite ícones nos templos e o batismo é por imersão - mas é infantil.

Na Igreja ortodoxa não existem as devoções ao “sagrado coração de Jesus”, “Corpus Christi”, “Via Crucis”, “Rosário”, “Cristo Rei”, “Procissão”, “Imaculada Conceição”, “Coração de Maria” entre outras.

Na igreja ortodoxa o chefe principal é chamado de Patriarca e ele deve-se submeter a decisão do Santo Sínodo Ecumênico, que compõe todos os patriarcas chefes das Igrejas Autônomas.

Na Igreja Romana o chefe principal é chamado de Papa e a ele se submete toda igreja.

A igreja Ortodoxa segue o ritmo do Catolicismo original compondo-se de diversas igrejas autônomas e nacionais (Ex. Igreja da Rússia, Igreja da Armênia, Igreja Copta). Já a igreja Romana considera-se uma igreja Una, sendo ela mãe e não igual a todas as outras igrejas.

A Igreja Católica Realmente Precisava ser excluída em 225?

Pode parecer maldade das igrejas fiéis o fato de terem excluídos de sua comunhão as igrejas erradas em 225. Mas os fatos que se sucederam mostraram que as igrejas fiéis realmente tinham razão.

A primeira razão está no espírito que as movia. Não era o espírito de Deus. Seus pastores geralmente eram homens cruéis e sanguinários. Os papas foram os maiores perseguidores das igrejas fiéis que o mundo conheceu. Por mais de 1300 anos perseguiram e mataram cruelmente os membros das igrejas fiéis. Com a introdução do batismo infantil seus membros acabaram todos sendo cristãos sem precisarem se converter de seus pecados, sem a necessidade de arrependimento dos pecados.

Na questão doutrinária os erros aumentam ainda mais. Os dois primeiros erros - formação da hierarquia e salvação pelo batismo - logo foram seguidos por muitos outros. Para que os bárbaros, acostumados com os cultos às imagens, pudessem realmente ser atendidos pela igreja Católica, muitos lideres eclesiásticos entenderam ser necessário materializar a liturgia. Surgiu a idolatria. A veneração de anjos, santos, relíquia, imagens e estátuas foi uma conseqüência lógica deste procedimento. Os pagãos, acostumados à veneração de seus heróis, quando vinham para a igreja católica, pareceu-lhes natural substituir os seus heróis pelos santos e lhes dar um status de semi-divindade. De igual forma os cultos africanos no Brasil. Não tardou e em 590 já veneravam até relíquias, cadáveres, dentes, cabelos ou ossos dos considerados "santos". Ações de graças ou procissões de penitência tornaram-se parte do culto a partir de 313. A oficialização do batismo infantil foi feita a partir de 370. Em 471 foi promulgado o dogma de que Maria é mãe de Deus. Assim, por volta de 590 se desenvolveu rapidamente sua veneração. A doutrina da Imaculada Conceição só apareceu em 1854, e de sua miraculosa assunção em 1950.

A cada ano que passa estas igrejas tornam-se cada vez mais longe das verdadeiras Sagradas Escrituras. Apesar de existir muita gente boa e de boas intenções em suas fileiras é impossível alguém que cumpra certo suas doutrinas chegar ao céu. Não se pode servir a dois senhores.

A ORIGEM DAS IGREJAS PROTESTANTES

No século XVI, por volta de 1500, e com o advento da imprensa na Alemanha, e consequente difusão da leitura pessoal e do conhecimento, a igreja Católica Romana passou por uma crise interna que resultou na dissidência de quase metade de seus fiéis. Essa dissidência foi chamada de "Reforma Protestante". Foi o advento da imprensa e da impressão em massa da Bíblia e a consequente leitura pelas pessoas. Não havia mais a necessidade de um sacerdote para ler e explicar a Bíblia aos ouvintes. Foi dessa reforma que surgiram as Igrejas Luterana, Presbiteriana, Anglicana e a Reformada da Holanda. Todas essas igrejas foram reformadas por padres ou com a ajuda de padres. Os tais já não agüentavam tanta heresia, paganismo e opressão que vinha do Catolicismo Romano. Certos absurdos como mariolatria, purgatório, adoração de santos e imagens e as indulgências, eram erros tão graves, que mesmo um católico bem informado não podia aceitar e suportar.

A ORIGEM DA IGREJA LUTERANA

A primeira igreja protestante a surgir foi a Igreja Luterana. Esta igreja leva o nome e as características de seu fundador, Martinho Lutero. Lutero era um homem muito inteligente, porém agressivo. Não concordava com a venda de indulgências e outras heresias da igreja de Roma. Contudo nunca quis abandoná-la. Sua vontade era reformá-la.

Em 1512 Lutero começou a pregar contra a salvação pelas obras pessoais. Fez muitas conferências confirmando que o justo iria viver da fé. E nisso ele tinha razão. Em vários sermões ele condenou a prática da venda da indulgência. Mas os papas e padres queriam dinheiro. O poder do dinheiro era mais forte, como o é até hoje. Em 31 de Outubro de 1517 ouviram-se fortes marteladas na porta da Igreja de Wittenberg. Era Lutero pregando na porta e condenando o Papa Leão X e seus legados numa bula de 95 teses. Entre estas teses, algumas eram especialmente desafiadoras:

"Os pregadores de indulgências erram quando declaram que o perdão do Papa livra o pecador da penitência e assegura-lhe perdão divino".

"Os que se julgam seguros da salvação pelas cartas do Papa, serão amaldiçoados eternamente, e na companhia de seus mestres”.

"Por que o Papa não esvazia o purgatório pelo amor?" Se é que existe purgatório e ele é tão amoroso..

Devido a essa bula Lutero foi excomungado pelo Papa em 1519. Mas, apoiado pelos imperadores regionais e pelo povo de muitas cidades alemãs, Lutero levou a afinco suas idéias. Ao meio de muita confusão e guerras ele conseguiu reformar a igreja católica na Alemanha em 1521. Essa igreja foi chamada de Luterana.

Seus seguidores foram chamados de luteranos. Na Alemanha e em alguns outros países do norte europeu ela se tornou a religião oficial do país. A maioria das igrejas católicas que existiam nesses países - contanto os fiéis, prédios e padres - simplesmente se tornaram luteranos. Geralmente as freiras se casaram com ex-padres. O termo missa foi conservado. As formas litúrgicas de dirigir a missa quase não mudou. O erro do batismo infantil, e não pela conversão e arrependimento dos pecados, era uma lei que devia ter continuidade para arregimentar famílias e aumentar a freguesia. Isso foi copiado do modo dos judeus no tocante à circuncisão. A hierarquia continuava a mesma, sendo o primeiro chefe da igreja Luterana o próprio Lutero.

A igreja luterana perseguiu e matou vários batistas na Alemanha e em todos os países onde ela se tornou a igreja oficial do país. No ano de 1525 Lutero ordenou a morte de mais de cem mil anabatistas no sul da Alemanha. Seu ódio aos batistas estava fundamentado no fato que estes, por obedecerem à Bíblia, a seu modo, nunca o aceitou como um servo de Deus.

A ORIGEM DA IGREJA ANGLICANA

Em 1531, o rei da Inglaterra, Henrique VIII, queria se divorciar de sua esposa para se casar com outra mulher. O Papa não autorizou o feito. Essa recusa aborreceu o rei, e então ele, que chegou a ser inimigo da reforma proclamada de Lutero, reformou a Igreja Católica na Inglaterra. Essa nova Igreja foi chamada de Anglicana (ou Episcopal). No princípio a única coisa que diferia da Igreja Católica era o fato de não ter papa. Depois, com o passar do tempo, os anglicanos adotaram muitos princípios de Calvino.

Assim como os luteranos e os presbiterianos ela usa o erro do batismo infantil. Também possui uma hierarquia quase igual a do catolicismo. Devido às conquistas da Inglaterra sobre muitos países, essa igreja foi muito favorecida. Está representada em quase todos os países do mundo e é muito forte onde a Inglaterra mantém o seu controle. A igreja Anglicana tem muitas filhas. A mais conhecida em nosso país é a Igreja Metodista.

A Igreja Anglicana tornou-se tão intolerante para com os batistas como foi o catolicismo. No País de Gales havia um grande número de batistas e por causa da perseguição quase todos tiveram que fugir para a América do Norte. A perseguição dos anglicanos aos batistas durou até o ano de 1688. Grandes pastores como Tomas Hellys e John Bunyan fizeram história devido à perseguição que o anglicanismo lhes moveu.

A ORIGEM DA IGREJA PRESBITERIANA

A Igreja Presbiteriana foi fundada por João Calvino. Ele foi um grande teólogo no sentido teórico, porém, um péssimo executor no sentido prático. Assim como Lutero ele buscava uma reforma dentro da Católica. Não conseguindo acabou se rebelando, e, em 1541 formou uma igreja na cidade de Genebra, Suíça. Essa igreja no princípio não tinha um nome definido, mas João Knox, um grande seguidor das idéias de Calvino, chamou-a de PRESBITERIANA.

Nesta cidade de Genebra, Calvino impôs as suas ordenanças eclesiásticas. Eram leis extremamente rígidas e severas. Ali o evangelho não era pregado mas ordenado aos cidadãos. Proibiu as diversões, as festas, os enfeites e as críticas ao seu governo. Aqueles que eram considerados infratores recebiam duros castigos, inclusive a morte na fogueira. Agindo dessa forma ele queimou feiticeiros, humanistas e batistas. Sua cidade era tão santa que na hora de casar ele não quis uma  mulher membro de sua igreja. Casou-se com a viúva de um pastor anabatista.

Como foi dito sua teologia era apenas teórica. Calvino teve verdadeiro ódio pelos batistas, pois os mesmos não aceitaram sua igreja como sendo uma igreja biblicamente correta. Os batistas viam na igreja Presbiteriana alguns erros que não podiam ser deixados de lado. O primeiro era o batismo infantil. O Segundo foi em que consistia dela ter se tornado uma religião do Estado. O terceiro foi a formação de uma hierarquia esquematizada em presbitérios.

A Igreja Presbiteriana é a religião Oficial da Escócia e está bem organizada em muitos países do mundo inteiro. Hoje ela divide-se principalmente em Igrejas Nacionais (Ex. P. do Brasil) as Independentes, e as Renovadas.

A ORIGEM DA IGREJA METODISTA

Muito próximo do século XVIII nasceram três meninos na Inglaterra. Eram eles: John Wesley, Carlos Wesley e George Whittfield. Estes três se tornaram pais e fundadores de um movimento que mais tarde foi conhecido como metodismo.

John Wesley se tornou pastor anglicano em 1728. Apesar disso só aceitou Jesus em 1538, ou seja, dez anos após a sua conversão. Em 1739 ele foi ser capelão nos EUA. Na viagem de navio, como uma tempestade lhes sobreveio, teve medo de morrer. Acabou notando que tinha no navio um grupo de pessoas que não temiam a morte. Esse grupo cantava e orava alegremente no momento da tempestade. Essas pessoas eram os Irmãos Morávios (os mesmos que receberam a influência dos paulicianos no século XII). John aprendeu muito com esse grupo e, provavelmente, foi por eles batizado.

Neste mesmo ano John encontrou-se com George Whitfield. George convidou-o para participar de uma pregação ao ar livre. Carlos também se juntou ao grupo. Assim os três iniciaram um reavivamento na igreja Anglicana. John Wesley nunca rompeu com a igreja da Inglaterra. Ele não queria formar uma nova religião. Contra sua vontade, no ano de 1784, formou-se a Igreja Metodista na cidade de Baltmore, nos EUA.

Os metodistas nunca perseguiram os batistas. Na verdade o seu começo está ligado a pessoas que realmente tiveram uma transformação em suas vidas. O erro desta igreja é que conservaram o sistema Episcopal da Igreja Anglicana e o costume de batizar crianças.

 Autor: Pastor Gilberto Stefano -  Igreja Batista da Fé, 
Rua Jamil Dib Lufti, nr. 165 -  Jardim Santa Clara 
17500-000 Marília, São Paulo -  Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

 

  

Versão para impressão