Nosso compromisso é fazer com que crianças e adolescentes se interessem pela literatura e cresçam em caráter, aliado ao conhecimento.

edimilsopimentel2017@gmail.com

 

Verbo FAZER

O verbo FAZER, em uma frase, ao ser conjugado e referindo-se a "tempo decorrido", é IMPESSOAL (=sem sujeito); por isso só deve ser usado no SINGULAR:

"FAZ dez anos que não nos ganhamos um jogo sequer." Tempo decorrido.

"FAZ mais ou menos sete ou dez minutos que ele não tira o olho da telinha." Tempo decorrido.

O Verbo Fazer, em locuções verbais

É interessante lembrar que esta regra se aplica também às locuções verbais. Quando o verbo principal (e não o auxiliar) for o verbo FAZER (="tempo decorrido"), o auxiliar deverá ficar no SINGULAR:

"Já DEVE FAZER duas horas que ela saiu." Tempo decorrido.

"VAI FAZER cinco anos que não nos vemos." Tempo decorrido.

Expressão “fazer anos” - "completar anos"

 

 

Entretanto, na expressão “FAZER ANOS”, ou seja, aniversariar, o verbo “FAZER” tem sujeito e, portanto, flexiona-se normalmente. Exemplos:

“Aline FAZ quinze anos no mês de setembro″

“As gêmeas FAZEM 15 anos em setembro”

FAZEM 30 anos aquelas enchentes”.

(Neste exemplo, “aquelas enchentes” é sujeito de “fazem 30 anos”.)

e o zagueiro "obstrói" a passagem do atacante, é falta.

O verbo obstruir se conjuga por atribuir, por isso não tem formas em ói, como construir e destruir.


A frase acima é de um ex-árbitro carioca que virou comentarista de futebol pela televisão. "Obstrói", sem dúvida, dói mais que uma pancada na canela...


país não comunista


Perfeito. Não há hífen entre as duas últimas palavras, como usam muitos. Por quê? Porque se trata de um adjetivo. Só os substantivos é que trazem o hífen. Repare na diferença: produto não perecível (adjetivo), o não-pagamento da dívida (substantivo); amor não correspondido(adjetivo), a não-variação de uma palavra (substantivo).


Há gigantes que adormecem e "que" não acordam.

Este que (pronome relativo) é maroto. Por que maroto? Porque não exerce nenhuma função na frase. Se o retirarmos, a frase ficará perfeita.

que coordenado só é correto quando exerce a função de conjunção integrante, Assim, por exemplo: Eu disse que ela era francesa e que gostava de namorar. *** Ela afirmou que não gosta do rapaz e que não quer mais vê-lo. *** Você acha que é esperto e que sempre vai levar vantagem em tudo?


Mas não assim: Há coisas que a gente vê e "que" já não aceita. *** Existem rios que são poluídos e "que" por isso não têm peixes.


Retirado o "que" maroto e intruso, faz-se a luz.


Está relampeando ou está relampejando?

Tanto faz. Em Portugal, além de relampear relampejar, ainda se usam as formas: lampadejar,relampaguearrelampadar relampar.
Como se vê, em Portugal, relampa todos os dias, relampada que é uma barbaridade!

ídolo

É sempre nome masculino, ainda que se refira a mulher: Meu ídolo é essa atriz. Paula era o ídolode boa parte dos aficionados ao basquete.

Há quem, por mera brincadeira, usa "ídola". Mas é só brincadeira.


gênio

É outro nome sempre masculino: Onde está aquele gênio de sua irmã, que deixou a televisão ligada a noite inteira? *** Essa cientista, um gênio, recebeu o Prêmio Nobel de Física. *** Susana era ogênio da classe.
Muito bem. Está claro que não existe "gênia", forma que só se admite mesmo em programas humorísticos de mau-gosto da televisão e em brincadeirinhas do recesso do lar. Fora daí, jamais.

Eis, porém, que surge uma apresentadora de televisão que, do alto do seu 1,85m, declara, até que meio aborrecida: Estão dizendo que faço dos meus erros de português um marketing. Que tipo de "gênia" sou eu, para falar errado e achar que é marketing?

De fato, de nenhum tipo...

indivíduo

É, igualmente, outro nome sempre masculino: Camila, esse indivíduo maravilhoso,fará parte do elenco da novela das 7h. *** Daniela é o tipo de indivíduo que só vai aparecer na Terra em cem anos.
Há quem, por brincadeira, também use "indivídua". É preciso, no entanto, nunca esquecer que brincadeira (de qualquer tipo) sempre tem hora.
traste
É também sempre nome masculino: Viridiana é um traste. *** Essa menina virou um traste.

Minha vizinha é mesmo "uma sujeitinha" à-toa.

Sujeitinho à-toa realmente existe, em todos os lugares; já "sujeitinha" não existe em lugar nenhum. Mulher, homem, criança, é sempre sujeito (nome sobrecomum), a exemplo de ídolo, gênio, indivíduo, traste, etc.
Por isso é que suas amigas são - todas elas - uns sujeitinhos falsos.

mais pequeno

É expressão corretíssima. Pode usar sem receio. O que não se deve é empregar "mais grande"(legítima no espanhol).
É expressão legítima também no português, mas somente quando comparamos qualidades de um mesmo ser. Assim, por exemplo: Sua filha é mais grande que pequena.
***Esse rapaz é mais grande que inteligente.

Versão para impressão