Nosso compromisso é fazer com que crianças e adolescentes se interessem pela literatura e cresçam em caráter, aliado ao conhecimento.

edimilsopimentel2017@gmail.com

VALDINEI MAZURKIEVICZ e PIMENTEL
 
 
CHUPIM

Veja se você não tem um no seu quintal, na sua casa, ou na sua família. Vulgarmente conhecido em Goiás como serra, serrão, serrote, no DF como 0800, Chupim no Paraná! Conhece alguém assim ? Molothrus bonariensis. É o nome científico da ave conhecida como chupim e que vive em todo o Brasil.   Assim são os parentes e aderentes. Empurrar uma locomotiva na subida e puxar uns trocentos vagõezinhos.  É mole.  Assim é a vida de quem possui um chupim na vida e ainda outros chupinzinhos pra sustentar.

 

REPRODUÇÃO DO CHUPIM: Este indivíduo apresenta dimorfismo psicológico. Aos 18 anos de vida não quer sair das barras da saia da mãe ou da dependência do pai, mas já está apto para a reprodução. O chupim põe seus ovos no ninho de outros pássaros, notadamente o Zonotrichia capensis, conhecido como tico-tico, para que seus filhotes sejam ali criados, alimentados, aquecidos e, educados. A maioria dos indivíduos sujeita-se pacificamente a este processo - é uma das leis da natureza.  A fêmea coloca de 2 a 4 ovos e põe sempre a mão no seu bolso. O período de incubação é longo e vai te ocupar, sugar e sangrar a vida toda. Não confunda com cupim - estamos falando do chupim.  Após 40 anos, ainda está muito ativo mas não prontos pra sair das suas costas ou voar por conta própria.  E vai reproduzindo. Só que, reproduzindo, ficará às expensas dos outros enquanto não for enxotado.

    O chupim também fica nas propriedades rurais e na casa dos outros esperando o que sobra. É também conhecido como papa-bosta, pois frequenta os currais, onde procura grãos de milho nas fezes do gado. Costuma invadir e arrasar plantações de arroz, por isso é conhecido também como papa-arroz. Como costuma fazer o tico-tico de bobo, é conhecido também como engana tico-tico e acabou virando sinônimo de aproveitador. Em relação a esse último apelido, o que acontece é o seguinte: o chupim adaptou-se, ao longo das gerações, a botar ovos muito parecidos com os do tico-tico, e dentro do ninho do tico-tico a fêmea do tico-tico - santa ingenuidade! - vai chocando os ovos de chupim junto com os dela própria; não bastasse essa situação "desleal", os filhotes de chupim nascem em prazo menor do que os do tico-tico, e vão logo tomando conta do pedaço: chegam a jogar fora os ovos de tico-tico, matando-os - ou, então, bem mais fortes, jogam para baixo os próprios tico-tiquinhos que tenham nascido; e a mãe adotiva ainda os alimenta com todo desvelo como se fossem seus. Quando ficam adultos, esses mesmos chupinzinhos chegam a uns 23cm e serão imponentes - os machos, negros e brilhantes, com reflexos avermelhados; as fêmeas, de um castanho bem escuro, quase preto. E as fêmeas os alimentarão até ficarem exaustas. Cuidado ! E procurarão novos ninhos de tico-tico para aplicar o "conto do ovo". No sítio, observar os chupins pode ser uma boa maneira de refletir sobre a humanidade. Mas não vá confundir o chupim (Molothrus bonariensis) com o pássaro-preto (Gnorimopsar chopi) - eles se parecem muito, mas o pássaro-preto, apesar de maior, não faz as "maldades" que o chupim faz, além do que possui um canto mavioso.

 
PÁSSARO PRETO
 

    Já o pássaro preto, ao contrário do chupim,  é muito sociável e companheiro (Gnorimopsar chopi) é uma ave canora nativa muito conhecida no país. Vale ressaltar que, apesar de seu nome científico, este pássaro não é o Chupim ou Chopim (Molothrus bonariensis), cujo macho é preto azulado e a fêmea amarronzada. Também conhecido por Melro e Graúna, encontram-se distribuídos por todo Brasil, menos na região amazônica. Habitam campos, cerrados e outras regiões de mata. Assim como ocorre com todos os animais pertencentes à fauna brasileira, sua comercialização só é permitida junto aos criadores legalmente cadastrados no IBAMA.
    São capazes de aprender alguns truques, muitas músicas e reconhecer os membros da família, aceitando carinhos e cafuné na cabeça e respondendo aos chamados com seu belo canto. Deve, porém, ser “treinado” aos poucos, pois assusta-se facilmente e um trauma maior poderá comprometer a saúde do pássaro, tornando-o medroso e arredio. O Pássaro Preto pode ainda aproximar sua cabeça das barrinhas da gaiola em troca de um afago
.

 Manutenção e modus vivendis:

   Não toma chá de Setoca - só bebe e come Selhedão.  Se você não se espertar vai carregá-lo nas costas o resto da vida.  Diz o ditado que “pardal que não se esperta, vira servente de João-de-barro ou babá de chupim.”  Mas o tico-tico, ave tipicamente brasileira, é mais tolo que o pardal, ave européia, é facilmente enganado pelo chupim, também conhecido como engana-tico-tico, engana bobo, boiadeiro, godero, papa-arroz e vira-bosta. Os chupins não devem ser mantidos muito próximos, senão sangrarão seu bolso e o da sua família. Dá preferência a parentes e faz cara de píedade. Vive da comiseração alheia. Fornecer sempre alimentos é o modo mais fácil de fazê-lo crescer e se folgar. Sempre está à procura de um prego para pendurar a conta. Conhece alguém assim ? Chupim, carrapato, sanguessuga, parasita, fila-bóia...  É o nóia que nunca tem R$ 1,00 para pagar o ônibus, o cara que adora fumar ou beber e nunca tem cigarro nem compra vinho, o figurão que quer colar em todos os rolês e nunca tem o dinheiro nem da passagem, o zé-povinho que vai para a porta dos shows implorar para entrar de graça, o pilantra que quer comer e beber de graça.  

Versão para impressão