OS TRES LEÕEZINHOS
Era uma vez, numa determinada floresta, uma leoa-mãe havia dado à luz 3 leõezinhos bem bonitinhos: O Rax, o Rix e o Rex. Um dia o macaco, representante eleito dos animais súditos, malandro e puxa-saco, fez uma reunião com toda a bicharada da floresta e...
 
Você é nosso visitante número:
Visitantes online
O melhor, mais ilustrado e completo site de fábulas e contos do mundo é brasileiro.
 
OS ANTROPÔNIMOS - UMA LEITURA SEMÂNTICA, ETIMOLÓGICA e MORFOSSINTÁTICA.
          A escolha do prenome civil, ao contrário do que se pensa, faz-se, conscientemente ou não. Seja em função do papel que o autor ou genitores queiram lhe destinar, visando, quiçá, a apropriação pelo nascituro dos atributos relativos ao significado de seu nome, seja, verbalizando, nominando ou escrevendo, levando em conta os instrumentos de que dispõem a fim de expressar, ou concretizar lingüisticamente, da forma mais fiel possível, conforme a sua intenção, ao ser que veio ao mundo, no sentido de fazer com que recaia ou lhe seja transposto, no ato da fala ou da enunciação do nome, atribuindo-lhe personalidade.. Isso já era motivo de debates entre os gregos antigos, filósofos por natureza, os quais demonstravam uma preocupação de compreender, em termos lingüísticos, como se estabelecia a relação nome-objeto, nome-pessoa, ou seja, que mecanismos existiam entre o mundo e a sua representação por meio de palavras. Sim, prenome civil e não batismal porque, batismal remete à cultura cristã católica e, para generalizar e não especificar, vamos adotar somente o termo prenome civil, visto que o ritual batismo, que parece ter origem na Grécia antiga, é fórmula elaborada com o fim de exaltar o sentimento religioso de um povo, adquiriu conotações e leituras as mais variadas no tempo e no espaço. O batismo, por exemplo, para os judeus ortodoxos, na escolha do prenome, é a circuncisão efetuada no oitavo dia do nascimento do filho homem.
       Ainda hoje a origem da linguagem e o problema do significante e do significado dos nomes continuam a merecer considerações e estudos.  Quis a Bíblia que a linguagem e os nomes e os objetos se inter-relacionassem e se materializassem por meio das unidades verbais que a compõem, unidades essas a que damos o nome de signos lingüísticos.  Na Bíblia, porém, não encontramos a resposta conclusiva.  É o que veremos adiante.
         Como em DOM CASMURRO, romance machadiano, o personagem Bentinho tem seu nome formado pelo radical de BENTO, acrescido do sufixo -INHO, hipocorístico esse que revela a afetividade de todos os que o cercavam, e não somente afetividade, mas infantilidade, imaturidade, do ponto de vista psicológico. Do ponto de vista etimológico BENTO, forma divergente de Benedito, significa "louvado", "elogiado", ”santo”, apresentando, assim, base adjetiva na etimologia do seu nome, desempenhando a função de determinante, de atributo da personalidade. Determinante também enquanto BENTO é santo, CAPITU é o inverso, é o demo. Dessa forma, intenção e linguagem passam a estabelecer um forte elo, numa estreita relação entre conteúdo e forma. Apresentar o personagem só pelo prenome, só pelo sobrenome, pelo nome completo ou pelo hipocorístico constitui traço revelador das intenções do autor.
           No Gênesis (o princípio de tudo) lemos nomes com cunhos de significante, próprios da engenharia do autor, mecanismos gramaticais, semânticos e estilísticos que parecem ser minuciosamente aplicados no intuito de fazer dos nomes próprios peças importantes na estruturação textual (Gênesis, Êxodo, Levíticos...), e nomes tais como Adão, Eva, Moisés etc. além da denotação, podem conotar certos atributos e certas formas externas.  Nesse caso, da nominação própria (Adão, Móisés Eva) ocorre a marca lingüística pela qual a sociedade hebraica toma conhecimento do indivíduo. Conceituado como elemento de individuação, o nome próprio (como função designativa) designa um único objeto identificado num ato de fala como a querer transpor para o ato da fala, da enunciação do nome concretizar linguisticamente atributos a alguém ou ao objeto.
           Por esse prisma, não é possível considerar os nomes próprios simplesmente denotativos e, justamente pelo fato de conotarem atributos é que o estudo dos antropônimos torna-se capaz de esclarecer muitos aspectos da cultura de um povo.
            Com JACÓ, filho de Isaque, ocorre a apropriação pelo personagem dos atributos relativos ao significado de seu nome (usurpador) em relação a seu irmão Esaú (cabeludo). Não que Jacó já tivesse nascido e usurpado, mas sim que, anos mais tarde, viria a comprar a primogenitura e usurpá-la, recebendo em si as bênçãos que, normalmente deveriam recair sobre Esaú, seu irmão primogênito. Gênesis 27:26-30
 “Então lhe disse Isaque, seu pai (a Jacó): Chega-te e dá-me um beijo, meu filho. Ele se chegou e o beijou. Então o pai aspirou o cheiro da roupa dele, e o abençoou e disse: Eis que o cheiro do meu filho é como o cheiro do campo, que o Senhor abençoou; Deus te dê do orvalho do céu, e da exuberância da terra e fartura de trigo e de mosto. Sirvam-te povos. E nações te reverenciem sê senhor de teus irmãos, e os filhos de tuia mãe se encurvem a ti; maldito seja o que te amaldiçoar, e abençoado o que te abençoar. Mal acabara Isaque de abençoar a Jacó, tendo este saído da presença de Isque, seu pai, chega Esaú, seu irmão, da sua caçada.”
      Vemos também referência à divisão de irmãos no tocante a bençãos, primogenitura e nomes - Gênesis 25:22, 23
“Os filhos lutavam no ventre dela; então disse: Se é assim por que vivo eu? E consultou ao Senhor. Respondeu-lhe o Senhor: Duas nações há no teu ventre, dois povos, nascidos de ti, se dividirão: um povo será mais forte que o outro, e o mais velho servirá ao mais moço.”
Embora Jacó tivesse predileção por Esaú, este amarga a vida dos pais - Gênesis 26:34,35
“Tendo Esaú quarenta anos de idade, tomou por esposa a Judite, filha de Beeri, heteu, e a Basemate, filha de Elom, heteu. Ambas se tornaram amargura de espírito para Isaque e para Rebeca”
Nesse mesmo romance, o narrador revela ao leitor o grande interesse de Sofia por Carlos Maria, "... um rapaz de vinte e quatro anos, que roía as primeiras apara dos bens da mãe". (6)
Quais são algumas das razões para entender a antroponímia.
(...)
         Em "Crátilo", Platão deixa explícito tal interesse, apresentando, num diálogo entre Hermógenes e Crátilo, aos quais se somava Sócrates, as duas correntes que se opunham na busca de respostas às questões surgidas: os naturalistas e os convencionalistas, tentando estabelecer uma conexão entre o som e o sentido podendo residir quer nos próprios sons, quer na estrutura morfológica da palavra, quer no seu fundo semântico.
origem para batizar personagens revelam
Jesus: Do hebraico "Deus é a salvação".
Cristo: do hebraico, O Messias, Deus conosco.
Esaú: Significa homem coberto de pelos e indica uma pessoa que com freqüência se vê em dúvida diante de dois caminhos que lhe parecem igualmente atraentes e não consegue se decidir por nenhum. A harmonia só acontece na vida de quem tem esse nome quando liberdade e responsabilidade se tornam bem dosadas.
Mateus: do hebraico, “dádiva de Deus”
Madalena: do hebraico, significa “magnífica”
Miguel: aquele parecido com Deus
João: Significa agraciado por Deus e indica uma pessoa com forte espírito de liderança. Impulsivo, às vezes é mal interpretado, mas seus atos sempre visam o benefício da maioria, pois possui nobreza de caráter
Adão: Significa terra vermelha e, por extensão, o homem criado da terra, do barro. Segundo a bíblia, foi o nome que Deus deu ao primeiro ser-humano. Indica uma pessoa que gasta com a família todo o dinheiro que ganha.
Aimoré: Do tupi: "que morde".
Airton: Nome literário, sem significado claro, indica uma pessoa que aproveita intensamente cada momento da vida, mas sem se descuidar do futuro. Persegue com toda garra seus ideais e vive com verdadeira paixão cada uma das vitórias que alcança.
Airumã: Tupi: "estrela d'alva".
Ajuricaba: Significa abelha feroz e indica uma pessoa que não tolera a inércia. Inovador e até excêntrico, contesta desde muito cedo todas as regras que lhe são impostas e busca sempre seus próprios caminhos
Akira: do Japonês: "o inteligente".
 Aline: De linhagem nobre. Inglês: Graciosa, elegante
Alina: Grego: graciosa, atraente. Significa agulha e predispõe a criança a se tornar profunda nas suas observações e na maneira de ver o mundo. Com o passar do tempo, porém, ela vai se tornando livre e desprendida e chega a agir de maneira quase superficial. Mas, quando percebe que fez uma escolha indevida, luta com toda a sua garra para corrigir o erro.
Lília: Do latim: "lírio".
Lilian: Inglês, significa pura, inocente
Liliana: do inglês Lilian, que significa pura, inocente. Variantes: Liliane, Liliam, Liliosa. É dotada de um temperamento impulsivo, que não cede diante de nenhum tipo de pressão. Luta para alcançar suas metas. Sempre investe com sabedoria e precaução.

Regina: Latim, significa rainha. Indica voluntarismo e firmeza de decisão. É próprio de mulheres que, da mesma forma que os antigos sofistas gregos, usam todos os recursos verbais para convencer seus interlocutores. 
Diana Regina: É um tanto autoritária, até mesmo com os amigos e com o namorado, mas suas "ordens" visam ao bem-estar de todos.
Semântica, s.f. (Filol.) Estudo das trasladações ou mudanças que, no espaço e no tempo, sofre a significação das palavras.

Denise: Variação de Dione. Revela uma pessoa alegra, de temperamento gentil e amante da beleza. Seu apurado senso estético faz com que se interesse por várias formas de arte e só namore homens bonitos.

 
Versão para Impressão     



 Envie seu comentário abaixo
Nome: 
E-mail: 
Comentário: 
 Código de validação: 
73832
 
  FÁBULAS
CONTOS
CONTOS de FADAS
ARTIGOS
CRÔNICAS
  LENDAS
FOLCLORE
PARLENDA
TRAVA-LÍNGUAS
1001 PERGUNTAS
DiTADOS POPULARES
CHARADAS
PIADAS
MITOLOGIA GRECO-ROMANA
POESIAS
RELIGIÃO
BIOGRAFIAS
PARTITURAS
CANTINHO DO ALUNO
LOGIN / LOGOUT