OS TRES LEÕEZINHOS
Era uma vez, numa determinada floresta, uma leoa-mãe havia dado à luz 3 leõezinhos bem bonitinhos: O Rax, o Rix e o Rex. Um dia o macaco, representante eleito dos animais súditos, malandro e puxa-saco, fez uma reunião com toda a bicharada da floresta e...
 
Você é nosso visitante número:
Visitantes online
O melhor, mais ilustrado e completo site de fábulas e contos do mundo é brasileiro.
 

Ditados Populares
e
Frases Populares
 
       Ditados, Frases ou Expressões Populares servem de advertência e às vezes apresenta um sentido construtivo.  São palavras e frases que na sua grande maioria têm a função comparativa com diversos assuntos, modo de agir, modo de pensar. O que difere o Ditado da Frase popular é que aquele serve de alerta ao futuro, e não apenas julga na ocasião do acontecimento como o faz a frase.
 
De ladrillo en ladrillo se hace un castillo: (Esse é o meu ditado para a construção desse meu site).  Eile mit Weile.  Um dia eu termino. .
 
Um filósofo é um cego em um quarto escuro à procura um gato preto que não está lá. Já um teólogo é um visionário que certamente o encontraria.
 
Ein Philosoph ist ein Blinder in einem Raum ohne Licht, der eine nicht vorhandene schwarze Katze sucht. Ein Theologe ist ein Visionar, der obwohl sie da nicht ist, findet sie.
 
Um filósofo es um ciego em um cuarto oscuro que busca um gato negro que no está alli; um teólogo es un visionário que lo encuentra.
 
Más sabe el diablo por viejo que por diablo: (Mais sabe o diabo por ser velho que por ser diabo). É um ditado popular de língua espanhola que sintetiza a máxima de que as pessoas de idade têm muito que ensinar e transmitir, pela vivência e experiência; nunca desdenhar da velhice e das cãs (cabelos brancos dos anciãos).
 
Quem entra em corrida de ganso é pato: Quem só pensa em freqüentar shoppings ou acompanhar pessoas ricas logo vira consumista, se endivida e não consegue manter certo padrão de vida.
 
Pardal que não se esperta vira servente de João-de-Barro: Quem não se esperta pra vida logo será um João-Ninguém.
 
Memória de Elefante: O elefante lembra de tudo o que aprende, motivo por que é uma das principais atrações do circo. Por isso, dizem que as pessoas que lembram de tudo (até mesmo as magrinhas!) tem a memória de elefante.
 
Dormir com as galinhas: A expressão significa deitar-se cedo, logo ao anoitecer, como fazem as galinhas.
 
Acordar com as galinhas: A expressão significa acordar cedo, como fazem as galinhas.
 
Estômago de avestruz: Aquele que come qualquer coisa. O estômago do avestruz é dotado de um poderoso suco gástrico que é capaz de dissolver até metais.
 
Lágrimas de crocodilo: É uma expressão bastante usada para se referir a choro fingido. O crocodilo, quando ingere um alimento, faz forte pressão contra o céu da boca, comprimindo as glândulas lacrimais. Assim, dá a impressão que ele "chora" enquanto devora uma presa.
 
O canto do cisne: São as últimas realizações em vida, de alguém. Antigamente dizia-se que o cisne emitia um lindo canto quando estava prestes a morrer.
 
Abraço de tamanduá: Sinônimo de traição ou deslealdade. O tamanduá se deita de barriga para cima e abre seus braços. O inimigo, ao se aproximar é surpreendido por um forte abraço, lhe crava as unhas e o esmaga.
 
Olhos de lince: Os filhotes só abrem os olhos com dez dias de vida. Em compensação, quando crescem, os linces têm uma visão apurada. Os povos mais antigos acreditam que esses animais conseguiam enxergar através das paredes. Ter olhos de lince significa enxergar longe.
 
Osso duro de roer: Problema difícil de resolver.
 
Dar nó em pingo d'água:  Ser capaz de se sair de todas as dificuldades.
 
Remar contra a Maré ou Remar contra a Correnteza: Tentar fazer uma coisa e tudo dar errado.
 
Dar a mão à palmatória:  Ser humilde e aceitar que errou.
 
Pintar o 7: fazer bagunça.
 
Dar com os burros n'água: Fazer muito esforço para conseguir algo e acabar perdendo tudo de forma banal.
 
Colocar a carroça na frente dos bois: Significa fazer alguma coisa da forma errada.
 
Criança Traquina: Buliçosa; travessa.
Nunca o vi mais gordo: significa nunca ter visto tal pessoa.
 
Amigo da Onça: Diz da pessoa,ou amigo,que é falso.
 
Ficar Chupando dedo: Ficar somente com a vontade de fazer alguma coisa.
 
Cabeça Martelando: Quando a pessoa está com muitos problemas, ou com dor de cabeça.
 
Antes só do que mal acompanhado: antes a pessoa ficar sozinha do que acompanhada de uma pessoa ruim.
 
Quem mistura-se com porcos, farelo come: Quem acompanha pessoa de índole ruim acaba tornando-se igual a ela.
 
Cada macaco no seu galho: Cada pessoa no seu devido lugar.
 
De grão em grão,a galinha enche o papo: Aos poucos se consegue atingir um objetivo.
 
Deus escreve certo por linhas tortas: Deus consegue estabelecer a verdade por mais difícil que esta pareça ser.
 
A cavalo dado não se olham os dentes: a um objeto ou presente recebido não se olha ou aprecia o valor monetário.
 
Quem fala demais dá bom dia a cavalo: Algumas pessoas conversam tudo, pelos cotovelos, falam da vida dos outros e da própria vida e se arrependem depois. Falam pelos cotovelos.
 
Um dia da caça, o outro é do caçador: Num dia as pessoas têm sorte, no outro não.
 
Quem casa, quer casa: A pessoa quando se casa quer ter uma casa própria.
 
Quando um Burro fala, o outro murcha a orelha: quando uma pessoa fala a outra se cala.
 
 
Uma Andorinha só não faz verão: Em certas ocasiões uma pessoa sozinha não resolve o problema. Solteiro/a não tem vida/família.
 
 
Pôr a carapuça: Na época da “santa” Inquisição, os condenados eram obrigados a vestir trajes ridículos para comparecer aos julgamentos. Além de usarem uma túnica com o formato de um poncho, precisavam colocar sobre a cabeça um chapéu longo e pontiagudo, conhecido como carapuça. Daí a expressão “pôr a carapuça" ou assumir a culpa.

 Quintos dos infernos: Durante o século 18, os portugueses cobravam diversos impostos no Brasil, entre os quais a quinta parte (20%) de todo o ouro extraído.

Depois da coleta, esses impostos - chamados de quintos- eram enviados para Portugal. O povo da metrópole, que achava que o Brasil ficava no fim do mundo, dizia: “Lá vem a nau dos quintos dos infernos“.

Vira-casaca: Carlos Manuel III, duque de Savóia e rei da Sardenha, sempre ameaçado, ora pela Espanha, ora pela França, usava as cores nacionais de uma dessas nações, de acordo com a aliança do momento. Daí chamar de vira-casaca a pessoa que muda frequentemente de opinião, de partido político, de idéias, conforme a conveniência própria.
Negócio da China: A expressão foi criada durante o século 19, época em que a Inglaterra dominou o comércio de ópio na China. A concessão de Hong Kong à Inglaterra após a Guerra do Ópio deu uma conotação ainda mais clara à expressão.
Afinal, além de se compensarem por uma guerra que injustamente provocaram, os ingleses abocanharam parte do território chinês transformando-o numa ponta de lança permanente do Império Britânico na região.
Com a revolução chinesa,”negócio da China” passou a designar toda e qualquer relação comercial proveitosa apenas para uma das partes.

Pior a emenda do que o soneto: Certo candidato a escritor apresentou um soneto de sua autoria ao poeta português Manuel Maria Barbosa du Bocage, pedindo-lhe que marcasse com cruzes os erros encontrados. Bocage leu tudo, mas não marcou cruz nenhuma, alegando que elas seriam tantas que a emenda ficaria ainda pior do que o soneto.
A expressão ficou na boca do povo como alusão a alguém que, ao corrigir um erro cometido, em vez de melhorá-lo, piorou-o.
 
Dar de mão beijada: Tem origem no ritual das doações ao rei ou ao papa. Em cerimônia de beija-mão, os fiéis mais abastados faziam as suas ofertas, que podiam ser terra, prédios e outras dádivas generosas. Desde então, a expressão simboliza avorecimentos.
 
Batismo de fogo: Ao condenar os hereges à fogueira, a assim denominada “santa” Inquisição sustentava que não tendo eles sido batizados com água benta, faziam ali o seu batismo de fogo.
E os que os condenavam ainda garantiam que os réus faziam um bom negócio ao trocar as labaredas eternas do Inferno por umas chamuscadelas que apenas os levariam desta vida.
A expressão mudou de sentido, no século 19, quando Napoleão III a usou para se referir aos que entravam em combate pela primeira vez.
Hoje, Batismo de Fogo significa qualquer situação crítica em que alguém têm de apresentar um bom desempenho.
 
Cheio de nove horas: Nove horas era a hora clássica do séculeo 19, que regulava o final das visitas e ditava o momento das despedidas.
A expressão surgiu nessa época para designar alguém que ditava regras de conduta e restringia as alegrias dos outros, complicando as coisas mais simples.
 
Pôr em pratos limpos: Quando, em 1765, foi aberto o primeiro restaurante, na França, estabeleceu-se que a conta seria paga após a pessoa comer, ao contrário do que depois veio a acontecer com os lanches rápidos.
Quando o dono ou o garçon vinha cobrar a conta e o cliente ainda não havia feito a sua refeição, os pratos limpos eram a prova que ele nada devia. Atualmente, significa esclarecer uma situação nebulosa.

Salvo pelo gongo: O ditado tem origem na na Inglaterra. Lá, antigamente, não havia espaço para enterrar todo os mortos. Então, os caixões eram abertos, os ossos tirados e encaminhados para o ossário e o túmulo era utilizado para outro infeliz.

Só que, às vezes, ao abrir os caixões,os coveiros percebiam que havia arranhões nas tampas, do lado de dentro, o que indicava que aquele morto, na verdade, tinha sido enterrado vivo (catalepsia – muito comum na época).

Assim, surgiu a idéia de, ao fechar os caixões, amarrar uma tira no pulso do defunto, tira essa que passava por um buraco no caixão e ficava amarrada num sino.

Após o enterro, alguém ficava de plantão ao lado do túmulo durante uns dias. Se o indivíduo acordasse, o movimento do braço faria o sino tocar. Desse modo, ele seria salvo pelo gongo.

Com o tempo, a expressão passou a significar “Escapar de se meter numa encrenca por uma fração de segundos”.

Tudo como dantes no quartel de Abrantes: Significado: o que permanece sempre na mesma, sem alteração. O povo português respondia com essa expressão quando perguntado sobre como as coisas iam em seu país, na época da primeira invasão francesa, comandada pelo general Junot, que instalou seu quartel-general em Abrantes.

Elefante branco: A expressão vem de um costume do antigo reino de Sião, situado na atual Tailândia, que consistia no gesto do rei de dar um elefante branco aos cortesãos que caíam em desgraça. Sendo um animal sagrado, não podia ser posto a trabalhar. Como presente do próprio rei, não podia ser vendido. Matá-lo, então, nem pensar. Não podendo também ser recusado, restava ao infeliz agraciado alimentá-lo, acomodá-lo e criá-lo com luxo, sem nada obter de todos esses cuidados e despesas.

Daí o ditado significar algo que se tem ou que se construiu, mas que não serva para nada.

Comer com os olhos: Significado: Apreciar de longe, sem tocar.  Origem: soberanos da ÿfrica Ocidental não consentiam testemunhas às suas refeições. Comiam sozinhos. Na Roma Antiga, uma cerimônia religiosa fúnebre consistia num banquete oferecido aos deuses em que ninguém tocava na comida. Apenas olhavam, “comendo com os olhos. A propósito, o pesquisador Câmara Cascudo diz que certos olhares absorvem a substância vital dos alimentos.

Amigo da onça:  Significado: Amigo falso, hipócrita.  Segundo estudiosos da língua portuguesa, este termo surgiu a partir de uma história curiosa. Conta-se que um caçador mentiroso, ao ser surpreendido, sem armas, por uma onça, deu um grito tão forte que o animal fugiu apavorado. Como quem o ouvia não acreditou, dizendodo que , se assim fosse, ele teria sido devorado, o caçador, indignado, perguntou se, afinal, o interlpcutor era seu amigo ou amigo da onça.

Estar com a corda no pescoço: Significado: Estar ameaçado, sob pressão ou com problemas financeiros. Origem: o enforcamento foi, e ainda é em alguns países, um meio de aplicação da pena de morte. A metáfora nasceu de anistias ou comutações de pena chegadas à última hora, quando o condenado já estava prestes a ser executado e o carrasco já lhe tinha posto a corda no pescoço, situação que, de fato, é um sufoco.

Como sardinha em lata: A palavra sardinha vem do latim sardina. Designa o peixe abundante na Sardenha, conhecida região da Itália. É um alimento apreciado e nutritivo, de sabor bem peculiar. As sardinhas, quando enlatadas em óleo ou em outro molho, vêm coladas umas às outras. Por analogia, usa-se a expressão para designar a superlotação de veículos de transporte público.

 Surdo como uma porta: Os antigos romanos faziam oferendas à deusa porta, suplicando-lhe favores. Beijavam-na, olhavam-na com lágrimas, perfumavam-na e enfeitavam-na com flores quando os pedidos eram atendidos. Quando, porém, a porta se mostrava surda às solicitações, era ofendida com diversos impropérios que visavam castigar sua surdez. O costume foi registrado pelo escritor romano Festus, no século 4º.

 
Versão para Impressão     
   
Nome:   sebastião fernando silva
Comentário:  super interesante e educativo legal de mais valeu!!
   
Nome:   paolla de oliveira medeiros
Comentário:  eu achei maneiro, legal pois muita gente e brasileiro e nao sabem nem o que significa esses ditados populares poxa cara! mas e muito bascana! continuem fazendo esses bagulhos fiquem com Deus todos vcs pois vcs sao filhos muito obrigado fiquem com Deus jesus e o espirito santo beijuuuus pra vcs tou-me indo falo pra oces bye bye fuuuuuiiii!!!!.
   
Nome:   Pabliny Suélem
Comentário:  amei todos gostei d+
bjs p/ todos
   
Nome:   Gabriela
Comentário:  Vai me ajudar muito obrigado isso significa que não vou perde ponto
   
Nome:   sandra marcia leite barbosa
Comentário:  amei cada frase com sua história,de onde veio,significado,data e local.Nada de complicado,simples de entender,sem palavras....amei.Parabéns para quem criou.
   
Nome:   bianca da rocha
Comentário:  lindos significados da vida diaria



 Envie seu comentário abaixo
Nome: 
E-mail: 
Comentário: 
 Código de validação: 
64620
 
  FÁBULAS
CONTOS
CONTOS de FADAS
ARTIGOS
CRÔNICAS
  LENDAS
FOLCLORE
PARLENDA
TRAVA-LÍNGUAS
1001 PERGUNTAS
DiTADOS POPULARES
CHARADAS
PIADAS
MITOLOGIA GRECO-ROMANA
POESIAS
RELIGIÃO
BIOGRAFIAS
PARTITURAS
CANTINHO DO ALUNO
LOGIN / LOGOUT